11 dezembro, 2006

O ARTESÃO DO ARMAMENTO

Esta mensagem, foi deixada pelo amigo Mário Relvas, a quem agradeço as visitas, os comentários e a força que nos deixa para continuarmos.
Achando que a devia partilhar com todos, para assim todos a lerem, os mais distraídos e os mais atentos..., aqui a deixo, na sua integra...

“Belo Maria, continua.
Amigos, a nossa essência, o nosso interior é belo e complexo.
Deite-mos para o exterior o que sentimos.
Partilhemos e amemos!

Deixo-vos este poema de alguém especial!

Beijinhos e abraços
Mário Relvas”

O ARTESÃO DO ARMAMENTO

Não sou eu quem determina o destino do mundo.

Não sou eu quem começa as guerras.


Apenas sigo o meu caminho. Faço o meu trabalho.

Nada faço de errado.

Mas não sei.


E essa é a questão,

que sempre me atormenta.

Não quem determina,

e no entanto nada faço de mal.


Faço girar parafusos pequeninos com os meus dedos,

fabricando componentes de armas

que nos ameaçam a todos.

E ainda assim não sou eu quem determina

o destino que aparece diante de nós.


Eu poderia criar outro destino,

tornando o mundo seguro para todos aqueles

que anseiam viver a sua vida.


E então eu saberia

a razão sagrada,

o significado brilhante

da nossa existência.


Ninguém então poderia destruir-nos

com as suas acções

ou iludir-nos

com as suas palavras.


O mundo que eu ajudo a fazer

não é um mundo bom.

No entanto eu não sou mau.

E não fui eu que o inventei.

Mas será isso suficiente?


Papa João Paulo II

1 comentário:

MRelvas disse...

Muito obrigado a todos,em especial à querida amiga Irene,minha conterrânea de Moçambique.Envio um abaço aos salesianos que trabalham no mundo na acção missionária,em especial em Moçambique.Para o Sr Padre Adolfo que lá está o meu abraço fraterno salesiano.Para o Sr Padre Nuno,meumestre e conselheiro,um abraço FORTE de Fé e Esperança.Obrigado a ambos pela dedicação a D. Bosco e aos jovens.

Lutar é amar

Cansado...
Não vencido;
Magoado...
Não convencido.

Estou Pronto,
Guerreiro de paz;
Com amor luto,
Sinto-me capaz.

Pobreza real
O caminho do povo;
Pobre Portugal
Precisa de um soco.

Acordem amigos
Lutemos pelo bem;
Saltemos unidos
Portugal é além...

Sempre a lutar
Sempre a amar.

Mário Relvas 12NOV06

FELIZ NATAL